quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Modelos Clássicos Não Funcionam

Lembrou-se da primeira vez que passearam, bem nítida na memória... O primeiro passeio é difícil de esquecer...

Ela chegava com as amigas... Mas logo que o viu, despediu-se e foi ao seu encontro...
Conversavam havia seis meses, mas era difícil se encontrarem, cidades diferentes, pais rígidos, cronogramas opostos... Mas não desistira dela um segundo.
Foi de surpresa, com uma bagagem de novidades, para vê-la, para abraçá-la... Para beijá-la, talvez...
Encontraram-se... Abraço tímido, porém penetrante, marcante... Ela não sabia, mas ele estava lá para ficar, com ela e por ela... Não iria a lugar algum... Ele não sabia, mas ela já pensara nas possibilidades... Não sabia o que queria...

Talvez o Universo seja grande demais para pensar em almas-gêmeas, feitos um para o outro... Talvez o lenga-lenga de amor já esteja fora de moda, virou baranguice... Talvez, até, sexo seja mais importante que confidências e carinhos...
Gostava de pensar nela como a única, porém... Gostava de passar noites em claro pensando nela e escrevendo... Preferia pensar em conversas profundas e filmes românticos... Momentos...

Por quase três anos, nunca a tirou da cabeça...
Por quase três anos, sempre pensara em realizações e gestos para ela...
Mesmo quando ela parecia não estar no mesmo Universo, mesmo quando não parecia nem mesmo tê-la conhecido jamais, mesmo quando tudo parecia ser um fim atômico, nunca parou de pensar naquele primeiro passeio... Difícil de esquecer... Os sons, as conversas, os vacilos, as doenças...

Nunca tivera coragem, entretanto...
-Covarde -pensava, lutando com seus travesseiros...
Nunca tivera coragem de dizer à ela tudo o que queria, tudo o que pensava... Muito menos fazer tudo aquilo que passava por seus sonhos e fantasias...
Medo de perdê-la, medo de assustá-la...
-Bem, assusto-a evitando assustá-la, -concluíra, naquela noite- pedidos de desculpas não resolvem, não eram para serem repetidos...

Que sua insegurança prevalecia sobre seu amor, sempre soubera, mas nunca quis admitir.
Naquela noite, porém, fora obrigado a admitir....

-------------------------------------------------------------------

*drive [incubus]

2 comentários:

Klaus disse...

Cara... Já pensou em escrever poemas e romances policiais?

Enfim, ficou... Motivador! =D

Nyo~* disse...

Muito Bom texto K',
Tem uma ou duas partes ali que identificam cada um dos tônicos, com seus problemas amorosos e tudo mais.

Never Forget, we're one !!