segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Night in... Night Out...

Meio dia, acordo com o celular vibrando feito louco na mesa de cabeceira. O besta do Rafael me mandou uma mensagem mandando eu trocar de roupa e esperar ele na porta de casa. Enquanto tomava banho pensei:
" - POOOOORRA !! Sair de casa meio-dia, nem acordei direito...". Banho tomado, roupa trocada, cabelo arrumado, perfumado, enfim, pronto. Me dirigi até a porta de casa, dez minutos de espera e o Rafael chega de carro todo arrumado, tão arrumado que nem parecia ele.

Entro no carro e ele me disse que tinha uma festona rolando, só gente bonita e bacana, "- Então estamos indo pro lugar errado !" - pensei. Estacionamos numa esquina e andamos até o portão de uma ca-zona (Era um Casarão, Mas devia estar igual a uma zona). "Pronto pra festa da sua vida ?!" - Disse ele todo empolgado, "Não, mas prontíssimo pra voltar pro meu PS3 !!" - Respondi com sarcásmo. Rafael deu de ombros e bateu a campainha.

Entramos na festa, e todos vocês sabem as regras: Entrar, cumprimentar a dona da festa, se embriagar e ir embora, Não exatamente nessa ordem. Eu fui pra curtir, pra ficar 'boladão de amor', 'Mai loko qui u Batímã!', vendo dragões na parede do quintal e gnomos albinos no sofá. Bebida vem, bebida vai, o etílico já realizava suas mudanças no meu ser, já estava um pouco mais solto, mais leve, mais comunicativo. Sabe, daquele jeito bacana que todo cara fica quando vai chegar em 40 garotas e tomar 42 foras ? Mas eu era diferente, ficava escorado em um canto, trocando olhares com uma, duas garotas...

... Até aquele momento, foi como se todo o álcool do meu corpo desaparecesse e eu recobrasse a consiência, só pra poder constatar que, diante de mim estava a mulher mais linda que eu já tinha visto. Aqueles olhos, aquele sorriso, tudo perfeitamente embalado naquele vestido florido e naquele rabo-de-cavalo louro. Aqueles olhos azuis me hipnotizaram, me chamaram, e quando dei por mim, estava parado na frente dela, ela me olhava com surpresa nos olhos, e eu com a boca seca, sem saber o quê dizer. Ela riu e se apresentou, eu ri meio a contra-gosto e me apresentei tambem, ela sorriu, eu sorri, e começamos a conversar.

Conversamos por horas, nem me interessava mais na festa, não queria saber mais de ninguem. Rafael ?! Que Rafael ?! No mundo, pra mim, era só eu e ela. E aquele sorriso me envolvia, os olhares me dominavam. Logo os olhares viraram carícias e os sorrisos, beijos. Beijos de língua, beijos de corpo, carícias e afágos, suspiros e gemidos, cada corpo atento ao outro, devorando cada movimento num balé erôtico.

Sabe quando você percebe que seu mundo está completo ? Era assim que eu me sentia naquele momento. Eu a queria, eu a desejava. Eu fiquei em transe, dominado como um cachorrinho olhando pr'um pedaço de picanha. Ela poderia fazer o que quisesse comigo, eu não ligaria, não me importaria. Ficamos juntos toda a festa, agarradinhos. Durante todo o tempo, eu percebia algumas pessoas rindo e cochichando mas, por que me importar ?! Eu estava com a garota mais linda da festa, e eles estavam bêbados.

Chega a triste hora, o momento de partir. Olho no fundo dos olhos dela, digo que quero à ver denovo. Ela diz que é melhor não, que ela estava só de passagem na cidade e iria voltar pro seu estado em breve. Eu finjo que está tudo bem, apesar do coração arrasado, me despeço e beijo aqueles lindos lábios uma última vez. Ela me dá um sorriso e assopra um beijo de dentro do carro que parte. Percebo risadinhas e deboches ao fundo. Então, após uma pergunta me contam e descubro do quê se tratavam as risadas...

Ela se apresentou como 'Maria João' mas, na verdade, ela nasceu 'João Maria'.

2 comentários:

Elisa Raabe disse...

Caraca!! Entrei aqui quase que acidentalmente e me deparo com um post nooovo!! \\o//
Ótima forma de reviver o plural!!
Texto dignissimo! shaiuhs

AMANDA disse...

Divertido! rsrs